Consultoria de Dr.Bruno Massa, médico do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP (Faculdade de Medicina da USP); e Paulo Carvalho, professor de skate do Programa Tempo de Escola, de São Bernardo.

Skates e patins ganham adeptos; treinos são realizados em pistas da região

Nada de bola. A diversão é sobre quatro rodas. Equilíbrio e condicionamento físico são essenciais. Saber cair também é necessário. Skates e patins ganham as pistas e rampas das cidades, assim como o gosto dos estudantes. Maurício Silva Brito, 9 anos, de São Bernardo, conheceu o skate pela TV. “Eu vi e fiquei com vontade de andar. É legal porque você pode ir a qualquer lugar. Gosto muito de futebol, mas prefiro ficar remando no skate”. Ele é um dos alunos do Programa Tempo de Escola, de São Bernardo.

Os estudantes saem das Emebs (Escolas Municipais de Educação Básica) e são levados para espaços públicos para atividades educativas, entre elas as aulas de skate, feitas no parque Cittá Di Maróstica. Jeniffer Caroline de Freitas Amaral, 8, começou a andar de skate na semana passada e diz que já aprendeu muito com as aulas. “Já estou ansiosa para andar nas outras pistas e gosto muito de ficar praticando por aí”, diz a garota, que deixa o recado. “É errado falar que skate e futebol são coisas de menino, eu gosto dos dois, assim como muitas meninas.”

Cauã Guerreiro Takemasa , 11, de Rio Grande da Serra, conheceu o esporte por meio do irmão mais velho, que já andava de skate, mas se interessou mesmo ao assistir a campeonatos. “Como meu irmão já andava, eu brincava com ele. Mas quando vi as manobras na TV, decidi aprender de verdade”. Além do skate, Cauã também gosta de futebol, vôlei e handebol, mas manobras sobre rodinhas é seu passatempo preferido. A velocidade e a variedade de manobras fazem Nicolly dos Santos Tavares , 11, também de Rio Grande, gostar do esporte. “Eu faço aula há pouco tempo, mas já aprendi a descer na rampa e fazer manobras. É divertido sentir o friozinho na barriga”.

Tanto Cauã quanto Nicolly fazem parte do projeto Skatescola – Superando Obstáculos, realizado em Rio Grande da Serra. O Parque Cittá Di Maróstica também oferece aulas gratuitas de patins para crianças. Lívia Guimarães de Souza, 6, faz as aulas desde junho e já se apaixonou pelo acessório. “Uma amiga me falou sobre aulas e eu fiquei animada, porque já andava e queria melhorar. O que eu mais gosto de fazer é subir rampas, me sinto solta”. Lívia não pensa em largar o patins tão cedo. “Gosto de vôlei, mas ainda prefiro o patins”. Outro apaixonado por patins é João Gabriel Ferreira Queiroz de Abreu, 4, que começou a patinar por causa do pai, que treina há 15 anos. “É a terceira semana que treino na pista. As aulas são boas e já fiz amigos. Patinar é legal”.

Matéria originalmente publicada em: Diário do Grande ABC